A Porta Férrea volta a ser palco do arranque do Rally de Portugal

Coimbra é de novo o local escolhido para a partida oficial de uma das competições automobilísticas mais importantes do país: o Rally de Portugal.

Em 2019, depois de 18 anos da última passagem do rali pela cidade, Coimbra voltou a receber a competição e com muito sucesso, com a Câmara Municipal de Coimbra a fazer um balanço de retorno de mais de três dezenas de milhões, porque o evento trouxe milhares de pessoas e aumentou a estadia média na cidade.

Em 2020, a prova foi adiada devido à pandemia, ficando para a história como o primeiro ano em que o Rally de Portugal não se realizou desde o seu início, em 1967.

Este ano, o regresso é ansiado com saudade acrescida. A 54.ª edição do Rally de Portugal, organizada pelo Automóvel Clube de Portugal, decorre entre 21 e 23 de Maio e é uma etapa do Campeonato do Mundo (WRC –  World Rally Championship).

Programa

A prova começa no dia 21 de Maio de 2020 nos troços do Centro do país: Lousã, Góis, Arganil e Mortágua recebem os melhores pilotos do mundo de rali.

A cerimónia oficial de partida é na véspera, na Porta Férrea da Universidade de Coimbra, pelas 20h30. O evento conta com a interpretação especial  do hino nacional na voz de João Farinha, do grupo Fado Ao Centro. 

À semelhança de várias etapas da competição, podem acompanhar tudo na transmissão em directo na plataforma da organização e, para quem é de Coimbra, avisa-se que durante os dias do evento, toda a zona da Alta da cidade sofre condicionamentos no trânsito e estacionamento que se prolongam até 21 de Maio, de madrugada.

O Rally e a Pandemia

Com o país a atravessar a fase de recuperação pandémica, ainda com várias medidas activas de contenção do vírus, a segurança sanitária é um ponto de ordem na organização.

Na apresentação da cerimónia oficial a 13 de Maio, o presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, apelou ao cumprimento das regras de segurança, lembrando que é importante demonstrar a capacidade de realizar este tipo de eventos que tanto trazem à cidade.

O Rally de Portugal conta com um destacamento de 2 900 militares da GNR para fazer cumprir as normas de lotação dos espaços públicos. A organização tem mostrado satisfação na possibilidade de se poder permitir a presença de público nas provas, numa altura em que a maioria dos eventos públicos ainda decorrem a porta fechada, reforçando simultaneamente a necessidade de cautela. O uso de máscara é obrigatório e o cumprimento da distância de segurança essencial.

A organização lembra o que está em causa: se as regras não forem cumpridas os troços podem ser cancelados.

As redes sociais do evento assumem-se como um forte aliado, no Twitter e Facebook vão sendo publicadas actualizações frequentes da lotação dos espaços, bem como avisos assim que for atingida para que os adeptos não se desloquem em vão. A cobertura televisiva também foi reforçada para tentar ajudar a diminuir a afluência de pessoas aos locais.

Ainda mesmo antes da partida, os condicionalismos da pandemia são evidentes. O piloto norueguês Mikkelsen testou positivo à Covid-19 antes de deixar o país de origem para vir para Portugal participar na prova e por isso vai falhar esta etapa do Campeonato do Mundo.

Este ano, além dos processos de acreditação do pessoal envolvido na organização, são realizados testes Covid a todos os envolvidos no Centro de Testagem do Rally de Portugal, numa demonstração do esforço da equipa no sucesso do evento.

Texto: Ana Sousa Amorim
Fotos: Rally de Portugal e Câmara Municipal de Coimbra

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.