Exposições a não perder em Coimbra

Setembro é o mês da rentrée, ainda que muitos aproveitem esta altura do ano para gozar o merecido período de férias. Com as peles mais ou menos curtidas pelo sol, recomeça a dança dos dias ritmados pelo trabalho, pela reabertura das escolas, pela lista de coisas que prometemos fazer quando regressássemos a casa.

Em Coimbra, na primeira semana de Setembro, têm 16 exposições distintas, que vão do melhor fotojornalismo do mundo ao 40.º aniversário dos Encontros de Fotografia, passando por uma homenagem a Sérgio Godinho e a uma exposição colaborativa que assinala a Procissão da Rainha Santa (que não se pôde realizar este ano).

Até 6 Setembro

Fim Do Califado, de Ivor Prickett
(Galeria Pedro Olayo Filho do Convento de São Francisco)

Reportagem feita exclusivamente para o The New York Times e que documenta a luta para derrotar o ISIS no Iraque e na Síria entre de 2016 e 2019. Trabalho vencedor do World Press Photo 2018, na categoria General News Stories e nomeado para finalista do prémio Pulitzer e publicado em livro pela prestigiada editora Steidl. 

Transversalidades – Fotografia Sem Fronteiras, pelo Centro de Estudos Ibéricos
(Museu Municipal de Coimbra/ Edifício Chiado)

Este projecto aposta no valor estético, documental e pedagógico da imagem para promover a inclusão dos territórios menos visíveis, inventariar recursos e valorizar paisagens, culturas e patrimónios locais. A exposição reúne os portefólios vencedores do Concurso Transversalidades 2019, seleccionados entre mais de 800 concorrentes oriundos de 70 países.

Até 10 Setembro

Spectrum – 40.º Aniversário dos Encontros de Fotografia
(CAV/Encontros de Fotografia)

Esta exposição visa comemorar o 40º aniversário dos Encontros de Fotografia e integra trabalhos de André Cepeda, Cristina Garcia Rodero, Daniel Blaufuks, Inês Gonçalves, Jorge Molder, Julião Sarmento, Paulo Nozolino, entre outros.

Até 20 Setembro

Oceanfalls, de António Azenha
(Museu da Água de Coimbra)

Tendo como base a obra emblemática de Júlio Verne, as Vinte Mil Léguas Submarinas, Oceanfall é uma proposta de instalação artística ambiental que reflecte sobre a contaminação dos oceanos, causada por poluentes resultantes de actividades terrestres, actividades no oceano e pela poluição atmosférica. Esta instalação artística é um diálogo entre o artista plástico António Azenha e os biólogos Nuno Rodrigues e Filipa Bessa.
Trata-se de uma iniciativa integrada na 21ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra.

Até 22 Setembro

Uma Paleta de Saudade, de Alexandre Linhares Furtado
(Pavilhão Centro de Portugal)
O cirurgião que em 1969 começou a reescrever a história da cirurgia portuguesa, revela agora, em público, o seu outro lado, o de artista, uma homenagem à sua mulher, Arminda San-Bento.

Até 26 Setembro

SOS Clima
(Sala da Cidade - Paços do Município)

Exposição sobre a urgência ambiental e os efeitos das alterações climáticas, numa iniciativa que reúne trabalhos de 5 agências internacionais: Agence France-Presse, The Associated Press, European Pressphoto Agency, Getty Images e Reuters.

Hong Kong: A luta pela liberdade, de Felipe Dana
(Casa Municipal da Cultura de Coimbra)

Trabalho sobre os protestos contra a lei da extradição para a China, de Felipe Dana, fotojornalista da The Associated Press.

Guardiões da Vida Selvagem, de Brent Stirton
(Casa Municipal da Cultura de Coimbra)

Mostra sobre a luta dos guardas florestais dos parques naturais em África contra a caça ilegal de espécies protegidas e em vias de extinção.

Até 27 Setembro

A Caravana, de Guillermo Arias
(Centro Cultural Penedo da Saudade)

Trabalho sobre as migrações da América Central para os Estados Unidos, de Guillermo Arias (fotógrafo vencedor do Visa d’or 2019).

Chamam-nos Para Casa
(Centro Cultural Penedo da Saudade)

Projecto sobre a ideologia do patriotismo através de uma abordagem sobre a militarização de jovens nos EUA e na Rússia, é uma reportagem vencedora do World Press Photo 2019, na categoria projectos de Longa Duração.

Até 30 Setembro

Sérgio Godinho – 75.º Aniversário
(Casa Municipal da Cultura de Coimbra)

No ano em que Sérgio Godinho celebra 75 anos, o Município de Coimbra homenageia a obra musical e artística do cantor, (que inclui mais de 20 álbuns editados e, ainda, livros da sua autoria), com uma mostra de discos de vinil.

Rainha Santa In Absentia
(Museu Mais Pequeno do Mundo)

Em ano de ausência da Procissão da Rainha Santa, o Círculo de Artes Plásticas de Coimbra desafiou os cidadãos de Coimbra e do mundo a enviar fotografias desta procissão de anos anteriores. Colaboram no projecto os seguintes autores: António de Jesus, Urtélia Silva, Jorge Costa, Paulo Abrantes, Maria Eduarda, Cláudia Patrício, Carlos Jorge Monteiro, Rafael Vieira, Lourenço Leitão, Dinis Alves.

Até 6 Outubro

E Nem Depois de Mais um Dia [Quarentaine Collection], de Maria João Damas
(Museu Municipal de Coimbra/Edifício Chiado)

(...) Encarar agora a realidade é como irromper de uma fantasia. Ela é ainda excessivamente devastadora para a podermos tolerar.
E é nesta luta entre o algo invisível e o potencialmente ameaçador que nos vemos privados de muito. Do toque, dos afetos e da distância que outrora pudesse até eventualmente existir. Essa distância surge agora como outra.
Mais severa porque imposta e desorganizadora.

Até 30 de Outubro

Virgem com o Menino e Dois Anjos – Tesouros Partilhados
(Museu Nacional de Machado de Castro)

No âmbito do projecto Tesouros Partilhados, que une museus nacionais com interesses comuns, o Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu Nacional de Machado de Castro apresentam a obra Virgem com o Menino e Dois Anjos, atribuída ao Mestre de Santa Clara, e classificada como Tesouro Nacional.

Até 17 Janeiro 2021

De Fernão Se Fez António
(Antiga livraria do Mosteiro de Santa Cruz)

Até 31 de Janeiro 2021

De Que é Feita uma Coleção?
(Centro de Arte Contemporânea de Coimbra)

Inaugurado no dia 4 de Julho (dia da cidade de Coimbra), o Centro de Arte Contemporânea acolhe a Coleção BPN e o programa inaugural arrancou com o ciclo De Que É Feita Uma Coleção?, com curadoria de  David Santos e José Maçãs de Carvalho, e com uma primeira exposição de uma série de três, intitulada Corpo e Matéria.

Texto: Joana Pires Araújo
Fotos: Centro de Estudos Ibéricos, CAV/Encontros de Fotografia, Museu da Água de Coimbra, Prémio Estação Imagem, Município de Coimbra, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, Museu Municipal de Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro, projecto Santa Cruz e Joana Pires Araújo

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.