Não digam a ninguém mas este sítio é um achado e fica em Penela

Há um espaço junto ao Parque das Águas Romanas e do Mercado Municipal, em Penela, que há 3 anos que anda discretamente a fazer as delícias de quem fortuitamente lá passa ou ouviu falar. O discreto mas arrebatador Viridi - verde em latim, numa homenagem ao património romano de Penela e à cor predominante na paisagem e nos pratos do restaurante - conquistou-nos e pôs-nos à conversa com Carlos Cardoso, o rosto por trás do projecto que se assume como uma alternativa na região. Natural de Aveiro, com formação em Marketing, Carlos trocou o mar e os ovos moles pela montanha e o queijo Rabaçal por causa do trabalho da companheira, Ana Luísa. Depois de uma incursão pouco feliz pelo ramo imobiliário, agarrou a concessão do espaço que pertence à autarquia, aproveitando a inspiração do blogue de receitas de Ana Luísa. 

As receitas do Home-Made-Home são as que Carlos confecciona, numa nota ligeira ou gulosa, para não dizer absolutamente irresistível. Mas a diferença começa pelo ouvido, mal nos aproximamos da esplanada somos embalados ao ritmo do jazz até à primeira mesa disponível e é sempre a melhorar à medida que passamos os olhos pelo menu e desfrutamos do chilrear dos passarinhos, do sol e da brisa a bater no rosto. Tostas, wraps, panquecas, saladas, smoothies, sumos naturais...os olhos já comem e a funcionária ainda nem chegou para receber o pedido. Na mesa ao lado fala-se inglês, na de trás um grupo admira alegremente o recém-nascido de uma colega, mais à frente um jovem casal partilha uma sobremesa e uma mãe almoça com a filha pequena. O Viridi abriu em 2017 e a intenção era mesmo não fazer mais do mesmo, diz Carlos. De uma maneira geral está a correr bem, continua. 

Vir

O mote do Viridi é a alimentação saudável, com recurso aos produtos endógenos e ementas variadas e sazonais com alimentos frescos da época, provenientes da agricultura local. A pandemia levou ao encerramento do espaço interior mas fez arrancar o take away, apesar de continuarem a preferir ter os clientes in loco a provar as iguarias. A tosta de frango e as panquecas de Nutella são as favoritas mas também há as de requeijão e nozes, as saladas de presunto e queijo Rabaçal, tostas de amendoim e banana, húmus e os smoothies. Nas estações mais frias, trocam a carta para as papas de aveia, os bolos de canela, o chocolate quente ou fondue de chocolate, por exemplo. Carlos é que cozinha. Sempre tive jeito e sempre gostei, digamos. Ter muitos amigos a trabalhar em grandes restaurantes também ajuda. Sempre que viajamos também tentamos ir a sítios que façam sentido ir para tirar ideias, as nossas panquecas vimos na Holanda, por exemplo, mas seria incapaz de copiar alguma coisa que alguém faça aqui ao lado.

Ver

Experimentámos a Salada de Salmão Fumado, com abacate, ovo, fusilli, tomate cherry, rúcula e alface sortida com redução balsâmica, e a Sobremesa Viridi - um boião de iogurte natural com granola caseira, Nutella e morangos. Arriscamos dizer que nunca ficámos tão alegremente cheias com uma refeição tão aparentemente ligeira. Nota-se que se aposta menos na loiça e decoração e mais na qualidade e abundância e os preços, segundo Carlos, reflectem o nível de vida local - entre os 2€ e os 7,50€. Actualmente o Viridi só funciona com esplanada e, ao contrário de outros Verões, não há eventos programados, como música ao vivo, geralmente jazz, bossa nova, blues ou mesmo fado. Queremos criar esse impacto de as pessoas chegarem e sentirem que aqui é diferente, os concertos também são sentados, sem confusão, só mesmo para quem quiser estar, diz o chef. Carlos e Ana Luísa foram pais em Janeiro e a pandemia acabou por ser uma espécie de licença de paternidade inesperada. Não há muitos pais a ter esta oportunidade, confessa Carlos, com um sorriso rasgado e rendido também aos encantos da localidade. 

Vencer

Não pudemos resistir a fazer a brincadeira com a alegada expressão do imperador romano Júlio César depois de uma vitória: veni, vidi vici (em português vim, vi e venci), mas pareceu-nos aplicar-se ao projecto empreendedor. Apesar de este 3º ano de funcionamento do Viridi ser para cumprir calendário, por causa da pandemia de Covid-19, já há planos para uma programação de eventos em 2021 em colaboração com outras entidades locais e, eventualmente, desenvolver outro projecto que está na origem da criação da marca: criar rotas turísticas na zona. Revitalização de património, rotas com as pessoas daqui, património cultural, humano e ambiental, as pessoas vêm passar férias e não sabem onde é que hão-de ir, explica Carlos. Temos miradouros, cascatas, ermidas, azeite, mel, queijo, remata. Ficamos à espera. Até lá, é ir provando os pequenos-almoços, brunches, almoços e lanches no menu, também disponíveis em formato piquenique, e o serviço de cafetaria e bar para desfrutar dos fins de tarde neste cantinho da zona Centro do país. Para quem levar miúdos, avisamos que há mesmo ao lado um enorme parque infantil de temática romana (todo em madeira) para brincarem enquanto desfrutam do repasto. 

Texto e fotos: Filipa Queiroz

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Marili
04.08.2020

Conheço o espaco, supreendeu-me agradavelmente quer pela qualidade do menu como pela simpatia no atendimento