Interessados em percorrer caminhos na região de Coimbra?

Vistam roupa confortável e escolham a vossa rota preferida entre cerca de 700 quilómetros (km) de turismo de natureza pelos Caminhos da Região de Coimbra, uma rede de trilhos pedestres lançada pela Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM Região de Coimbra ou CIM-RC).

O programa é ideal para evitar multidões e para descobrir recantos fabulosos na natureza e lançamo-vos o desafio de explorarem os percursos que seguem os rios Mondego e Alva – e depois contem-nos a vossa experiência.

Todas estas rotas municipais e intermunicipais encontram-se devidamente sinalizadas com estruturas de informação e também de observação e de relação com a natureza. São 9 as propostas apresentadas no separador do Turismo de Natureza da página da Região de Coimbra: 4 grandes rotas (Bussaco (56km), Alva (106km), Mondego (124km) e o Caminho Natural da Espiritualidade (67km), além de um conjunto de pequenos percursos (como a Rota das Salinas, a Rota do Calcário, a Rota Monumental das Aves de Montemor-o-Velho, o Percurso Pedestre Ribeirinho, e o Percurso Interpretativo da Livraria do Mondego) e ainda actividades de birdwatching (observação de aves) e sobre cogumelos.

Grande Rota do Mondego

Este percurso linear tem 142 km de extensão e percorre os territórios compreendidos entre a Figueira da Foz e Oliveira do Hospital, cruzando os concelhos de Montemor-o-Velho, Coimbra, Penacova e Tábua.

Há inúmeros pontos de interesse naturais, paisagísticos e culturais que estão associados ao principal rio nacional. Esta grande rota deslumbra pela constante presença do Mondego e pela história de toda esta região que o leito do rio permite descobrir, num contexto de frescura e sedução muito apreciados pelos visitantes e muito marcado pela presença de elementos relevantes:

Figueira da Foz
Com o seu imenso areal de areia fina e dourada e as suas atracções turísticas, é na Figueira da Foz que o Mondego encontra o oceano num estuário cheio de história e de vida marinha.

Percurso até Coimbra
Passando pelas vilas de Montemor-o-Velho e Pereira, com a forte presença dos marcantes campos de arroz do Baixo Mondego e da textura de outros cultivos.

Coimbra
A eterna cidade dos estudantes, património da UNESCO, com o fado como elemento cultural exclusivo e diferenciador.

Penacova
Região de transição para um cenário de montanha, traz uma significativa alteração da paisagem, com vales mais ou menos cavados e espelhos de água a perder de vista, com origem na Barragem da Aguieira.

Tábua e Oliveira do Hospital
O cenário vai-se repetindo, sendo constantes, ao longo do percurso, elementos do modo de vida local, tais como moinhos de água, açudes, socalcos, levadas, entre outros.

Podem explorar mais informações sobre este percurso neste folheto.

Grande Rota do Alva

Este percurso linear de 77km de extensão passa pelos concelhos de Penacova, Vila Nova de Poiares, Arganil, Tábua e Oliveira do Hospital. O rio Alva é o elemento identitário da região atravessada pela rota, marcada por planaltos e vales marcantes, nos quais o serpentear do Alva moldou a paisagem e impôs um modelo de povoamento e desenvolvimento muito próprio.

O cenário de belezas naturais é variado e faz com que regressemos a casa com imagens salgueiros, amieiros, freixos, choupos, sanguinho-de-água, fetos-reais e largas encostas com medronheiros. Nas águas do Alva habitam barbos, bogas-comuns, enguias-europeias e lampreias-de-rio. Um olhar mais atento detecta ainda peculiares formações geológicas graníticas ao longo do percurso e diversas formações litológicas, como xistos e grauvaques, calhaus rolados, arenitos pouco consolidados e as planícies aluviares de Arganil e Côja. Os açudes e a morfologia do Alva permitem também actividades de lazer em harmonia com a natureza, como é o caso da canoagem e alguns desportos radicais.

Rio Alva
Nasce na Serra da Estrela e desagua no rio Mondego, na localidade de Porto de Raiva, no concelho de Penacova. O seu percurso de cerca de 106 km é sinuoso, marcado nas encostas da Serra da Estrela e Serra do Açor, e permite descobrir um conjunto de atracções naturais e turísticas:

Povoações
Ocupando as margens do rio, encontramos Côja, Vila Cova do Alva, a Sintra das Beiras, Avô, entre outras

Praias fluviais
São várias e magníficas, como por exemplo São Gião, Avô, Caldas de São Paulo, Côja, Vimieiro, Ponte das 3 Entradas, São Sebastião da Feira e Cascalheira-Secarias. A maioria destes locais detém o galardão de Bandeira Azul, o que mostra a qualidade da água cristalina do rio,

Barragem de Fronhas
Localizada em São Martinho da Cortiça, atrai-nos pelo seu espelho de água, a zona de lazer, os vestígios megalíticos do período Calcolítico, na localidade de Secarias, entre muitas outras razões.

Artigo Patrocinado

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Regina
19.07.2020

Como fazer para saber pormenores dos percursos?