Há teatro a aquecer corações este Outono em Taveiro

Se já andam há algum tempo com vontade de ir ao teatro têm agora a vossa oportunidades. Está a decorrer o Festival Encontros de Outono e ainda há 3 espectáculos para verem até ao fim do mês em Taveiro com preços a partir dos 3€. O festival acontece regularmente desde que o Loucomotiva – Grupo de Teatro de Taveiro dispôs de espaço próprio, em 2011. São sempre 4 espectáculos produzidos e levados a cena por companhias nacionais ou estrangeiras convidadas pela companhia e, nos últimos anos, também por elementos da companhia que procurem explorar linguagens diferentes e estéticas divergentes das escolhidas nas produções principais do Loucomotiva. Pretendemos com esta iniciativa diversificar ao máximo a oferta cultural proporcionada pela nossa programação, acolhendo outros grupos que permitam ao público conhecer opções cénicas e visões do teatro diferenciadas e, por vezes, até incompatíveis, explica Luís de Melo. Interessa-nos que os habituais frequentadores do Teatro Loucomotiva sejam levados a conhecer outras opções artísticas, novas formas de encarar o palco como agente transformador da sociedade, contribuindo, assim, para que o espírito crítico de quem observa possa ser enriquecido com um evento o mais diversificado possível, continua. 

A companhia dá prioridade aos espetáculos criados a partir de textos ou ideias originais e aos jovens artistas. Sentimos que é muito motivador para os jovens actores que têm vindo a trabalhar connosco nas produções principais sentirem essa rede de apoio que os lança para o desconhecido e que os convida à experiência da originalidade, conta Luís de Melo. O Melhor de Nós, que encerra a edição deste ano, é exemplo disso. Apesar das limitações que têm ao nível da comunicação e divulgação, através das redes sociais e do contacto com a Comunidade Loucomotiva, constituída pelos formandos que frequentam as várias turmas da companhia, vários espectáculos esgotam semanas antes da estreia. Frequentada inialmente mais por jovens mas alargando cada vez mais as faixas etárias do público, Luís assegura que o grupo sente que o gosto pelo jogo teatral e a capacidade que as artes cénicas têm de despertar consciências e de transfigurar o real, não escolhem géneros, nem idades nem etnias. Podem reservar os bilhetes para o Encontros de Outono via telefone (913 906 597 | 916 548 844 | 239 982 452) ou email (geral@teatrotaveiro.com), bilhete pontual ou geral, com descontos para associados e formandos.

O Príncipe Nabo

16 Nov, 21:45
AtrapalhArte
 
Baseado na obra de Ilse Losa, recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 5.º ano de escolaridade. Esta peça conta‑nos a história da princesa Beatriz, mimada e insolente, que humilha todos os príncipes pretendentes. De tal forma, que o pai, o Rei do Castelo da Abundância jura entrega-la ao primeiro que passasse, fosse príncipe, músico ou pobre de pedir. E assim sucedeu logo em seguida: o músico itinerante António, que cantava de corte em corte, surge no castelo e o monarca cumpre o prometido. Entrega‑lhe a mão da sua filha, fazendo orelhas moucas aos protestos e à revolta da princesa. É indicada para maiores de 3 anos e público geral, com 50 minutos de duração. 

Mutável

23 Nov, 21:45
Loucomotiva
 
A partir do conto O Urso de Anton Tchékhov, três personagens procuram algo. Personagens em fúria movidas por circunstâncias distintas. São três personagens que caminham, que gritam, que choram mas que nunca desistem ou se resignam, nem pedem licença para entrar ou para falar ou para lutar. São três personagens que não se ouvem e é a partir desta incomunicabilidade que todas elas evoluem e se caracterizam. Nesta casa a luz da rua não entra porque as janelas foram seladas e há uma dívida em jogo que determina o futuro de um visitante indesejado. Há uma mulher, a que mandou selar as janelas, que espera para se vingar, outra que desesperadamente quer festejar o milagre da vida e da juventude. Ah! E a morte… a morte também por cá anda. A falta de escuta e contacto entre as personagens do teatro Tchekhoviano parece ecoar no próprio mundo de hoje, dominado por uma linguagem virtual, em que deixamos nas redes sociais os nossos gritos e desabafos, os nossos monólogos. Num tempo em que cada vez mais se alimenta o individualismo cego e cujas inovações tecnológicas, se por um lado permitem maior comunicação, por outro afastam-nos do contacto real, o olhar de Tchékhov parece manter-se surpreendentemente atual. A tradução é de António Pescada e os poemas de Federico Garcia Lorca. Encenado por Alexandre Oliveira é interpretado pelo próprio com Eva Tiago e Vânia Fernandes. 
 

O Melhor de Nós

30 Nov, 21:45
Loucomotiva

Três amigos conversam sobre tudo e sobre nada. Não sabemos as suas idades nem as suas experiências de vida, sabemos que se divertiram, muito, na véspera e esperam por alguém. As conversas tornam-se mais envolventes e interessantes. Continuam à espera de alguém, um amigo que faz parte do grupo deles, um amigo de infância, alguém chamado Carlos. Carlos nunca chega, Carlos pode nem existir. Imaginam a vida de Carlos, como ele podia ser, o que ele podia ser e o que não podia ter sido. O melhor de nós é tudo o que nos faz sermos nós mesmos, os momentos que nos moldam e nos definem a personalidade. O melhor de nós são também as pessoas que nos rodeiam e nos enriquecem os dias. No final, o melhor de nós não são as coisas, mas as memórias. Carlos, o amigo nunca presente, por quem aguardam sem saber quando chegará. O melhor de nós às vezes nunca chega. Não chega porque não pode, ou porque já passou. Três amigos que aguardam pela vida, pelo que de melhor ela tem para oferecer, mas assim como os melhores momentos das suas vidas, pode não voltar mais.
Ao Carlos! Com encenação de Diogo Marques, Luís Esteves e Miguel Figueiredo e texto original de Jorge Geraldo. 

Texto: Filipa Queiroz
Fotos: Unsplash e oficiais Loucomotiva - Grupo de Teatro de Taveiro

Artigo actualizado dia 13/11/2019 às 13:05

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.