Já foram à praia em Coimbra?

Há quanto tempo não visitam a Praia Fluvial de Palheiros e Zorro? O famoso surfista Garrett McNamara já lá esteve um par de vezes e até deu aulas públicas de stand up paddle. Surpreendidos? Talvez esteja na altura de nos relembrarmos de recantos que são dignos de postal.

Fica a menos de 10km do centro de Coimbra e desde 2012 que tem bandeira azul, símbolo da qualidade da água, da areia e da segurança do local. Espera-vos um areal com cerca de 175 metros de comprimento e 50 metros de largura envolvido por muito verde e muito sossego (sobretudo em alturas em que a praia não esteja muito concorrida, como as manhãs).

A praia é vigiada entre as 11h e as 19h durante a época balnear, entre 15 de Junho e 15 de Setembro, e conta com instalações sanitárias com chuveiros e acessibilidade para deficientes motores.

Há algumas sombras mas é aconselhável que levem o vosso guarda-sol. Estendam as toalhas e aproveitem uns momentos de descontracção à beira-rio - com livros e revistas, com baldes, pás e forminhas e, se quiserem, um belo farnel.

Se os ingredientes areia e rio não forem suficientes, há ainda um parque infantil com escorrega e baloiços para que os mais novos cheguem ao final do dia de barriga cheia de brincadeiras.

Como chegar

Podem ir de transportes públicos (de autocarro, utilizando a linha 9 dos SMTUC ou a linha Zorro-Coimbra com a Transdev) ou de carro, chegando a uma das margens do rio (pela estrada municipal CM 1151 ou pela estrada nacional N110).

As margens estão ligadas pela recém-inaugurada ponte, uma moderna estrutura metálica com uma extensão de 145 metros assente em pilares de betão que permite a travessia de peões, bicicletas e veículos ligeiros de emergência.

Comes e bebes

Se a ideia for sair de casa apenas com a toalha debaixo do braço, também não há problema porque o local tem apoio: o Fluvial Bar 1997 está aberto todos os dias, das 10h à meia-noite, serve refeições (de faca e garfo) e snacks ligeiros (hamburgueres, tostas, etc.).

Praia fluvial

Ocupa um antigo banco de areia da margem esquerda das encostas escarpadas do Maciço Marginal de Coimbra do rio Mondego. Como se pode ler num placard informativo, as aldeias que se espalham pelas encostas envolventes (Casal da Misarela, Palheiros, Zorro, Carvalhosas, Vale de Canas e Torres do Mondego) desenharam um património hoje bem vincado pelas antigas estruturas agrícolas e mineiras.

Por último, uma curiosidade: podem ter a oportunidade de avistar uma lontra ou uma águia pesqueira, frequentadores habituais deste sector do Mondego.

Texto e fotos: Joana Pires Araújo

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.