Fora da Caixa | Li Furtado, Empresária

Uma pessoa determinada. Assim se define Li Furtado, heterónimo que usa online, Cátia para os amigos. 36 anos, natural de Ermidas-Sado e mãe da pequena Maria Clara, de apenas 1 ano. Em 2012 fundou a CINCO, uma marca de jóias minimalistas feitas à mão a partir de Coimbra. Numa Era completamente dominada pelas redes sociais, reconhece que o maior desafio deste projecto é estar activa num mercado que é global e que muda a cada segundo, para além da gestão de clientes de países tão diferentes como a Coreia do Sul, a Alemanha ou os Estados Unidos da América. O projecto surgiu da enorme paixão pela indústria da moda mas não, nunca estudou joalharia. Na verdade, o percurso da fundadora da marca portuguesa é bastante curioso porque é licenciada em Geografia e tem um mestrado em Planeamento do Território. Chegou a trabalhar durante 11 anos como consultora mas, o que começou como uma brincadeira enquanto blogger, tornou-se, em poucos anos, num negócio à escala mundial.

- Como é um dia perfeito para ti?

Acordar nas calmas, tomar o pequeno-almoço a três, trabalhar, almoçarmos juntos, trabalhar - confesso que neste momento o trabalho é super desafiante -, e às 5h da tarde estarmos livres para passear ou lanchar.

- Qual a melhor invenção de sempre?

World Wide Web.

- Qual a tendência que não faz qualquer sentido?

Nenhuma.

- Que tendência gostarias que voltasse?

Estamos sempre a puxar as tendências antigas, por isso, quero ficar com uma quota de responsabilidade. Gosto de pensar que, ao nível da joalharia, é uma busca daquilo que se usou no passado, nos anos 60, 70, 80.

- Qual o objecto que continuará na moda, mesmo que o tempo passe?

Se fosse uma cor, diria preto...Os loafers.

- Qual o melhor dia do calendário?

Cinco!

- Se alguém narrasse a tua vida, quem gostarias que fosse?

Uma amiga minha, uma pessoa que me conhecesse bem.

- Se pudesses telefonar a qualquer pessoa no mundo e falar durante uma hora, quem escolherias?

O meu pai.

- Qual foi a peça mais cara que já compraste?

Uma Chanel 2.5 5.

- Qual o último concerto que viste em Coimbra?

Jorge Palma.

- O que é que te inspira?

As pessoas no dia-a-dia.

 

 

 

- Qual a palavra mais engraçada da língua portuguesa?

Saudade.

- Não sais de casa sem?

O telemóvel.

- Se tivesses de mudar para outro país mas só conseguisses levar uma mala de mão, o que levarias?

Computador, telemóvel, carregadores, batom, base, sapatos e alguma roupa.

- Quando precisas de paz foges para onde?

Para casa.

- Que série ou filme te recusas a ver?

Nenhuma. Vejo todas as séries da Netflix. A última foi a Sex Education

- Se tivesses de ficar fechada numa série de TV durante uma semana, qual escolherias?

Teria de ser uma série sobre investigação. Homeland - Segurança Nacional.

- O que mais te preocupa na sociedade moderna?

A falta de tempo que as pessoas têm e o tempo gasto em coisas que não são uma prioridade.

- Normalmente, chegas cedo ou tarde?

Um bocadinho atrasada.

- Qual foi a tua última pesquisa no Google?

Uma marca de roupa norueguesa. Uma peça para a CINCO usar nas sessões.

- O que pensas sobre as redes sociais?

São um mote inacreditável. Eu acho é que hoje em dia elas são um bocadinho diabolizadas, tal como o consumo. Parece que, de repente, já não podemos consumir, precisamos de ser mais sustentáveis. Mas depois esquecemos que há toda uma economia que gira à volta disso. As redes sociais são incríveis porque deram poder a muita gente que à partida não tinha poder. Comecei há uns bons anos com 200€ e foram as redes sociais que me projectaram. Estamos os dois em casa com a nossa bebé e conseguimos gerir um negócio na mesma. 

- Podias ficar horas a...?

Não fazer nada.

Associa palavras 

destino - Nova Iorque
música - Sinnerman, de Nina Simone
infância - Alentejo
sonho - CINCO
pessoa - a minha filha, Maria Clara
cinco - realização
som - O meu cão, Zaza
livro - O Livro do Desassossego (Fernando Pessoa)
cidade - Coimbra
país - Portugal

Preferias ser transportada permanentemente 100 anos para o passado, ou 100 anos para o futuro?

Futuro, sem hesitar. O que somos hoje é fruto do nosso passado, da herança cultural que transportamos, e isso já conhecemos, já absorvemos. Agora, no fundo, estamos a reinventar, por isso quero ver o que aí vem.

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.