Nem Romy Schneider vai faltar na Mostra de Cinema de Expressão Alemã

Vêm aí 2 dias para ouvirem Denis Lavant recitar poemas num bar da costa francesa no meio da noite, para respirar ar de verão no meio do inverno num filme de época, para conhecer as pessoas, a magia e uma terna história de amor por trás dos corredores dos hipermercados num filme que estreou na Berlinale do ano passado. No fundo, para ver bom cinema, disse-nos Corinna Lawrenz, programadora da Mostra KINO, dias 26 e 27 de Março no TAGV
.

Tal como em Lisboa, a Mostra de Cinema de Expressão Alemã arranca em Coimbra com o filme de Emily Atef 3 Dias em Quiberon, sobre Romy Schneider, seguem-se outros de Angela Schanelec (21h30), Sonja Maria Kröner (27 Fev, 18h30) e Thomas Stuber (27 Fev, 21h30). Filmes que representam antes uma pequena parte do cinema alemão mais interessante dos últimos anos, assegurou-nos Lawrenz, e que permitem ver na tela grandes actores e actrizes – como a Marie Bäumer, a Birgit Minichmayr, o Charly Hübner, a Sandra Hüller e o Franz Rogowski -, descobrir o cinema de dois realizadores relativamente jovens e muito promissores e conhecer um pouco do cinema de uma das realizadores mais particulares do actual cinema alemão com o seu estilo próprio, de minimalismo e grande sensibilidade das imagens.

 

26 FEV | 18h30 | 3 DIAS EM QUIBERON 

França, 1981. Romy Schneider passa uma temporada em Quiberon, estância balnear na Bretanha, em tratamento. Nesses dias, dá uma entrevista lendária ao jornalista Michael Jürgs, acompanhado pelo fotógrafo Robert Lebeck cujas imagens circularam pelo mundo. A entrevista, em que a atriz se abre sem reservas, e as fotografias que a mostram num estado de espírito que oscila entre uma exuberância cintilante e uma profunda melancolia, formam a base do filme de Emily Atef.
 Realizadora alemão, filha de pais franco-iranianos, Atef subiu 7 vezes ao palco no Prémio Alemão de Cinema de 2018 (nas categorias de Melhor Realização e Melhor Filme).

26 FEV | 21H30 | O CAMINHO SONHADO (Der Traumhafte Weg)

Grécia, 1984. Kenneth e Theres cantam na rua para financiar as férias. Amam-se. Quando Kenneth recebe a notícia que a mãe sofreu um acidente, volta apressadamente para casa, deixando Theres para trás. Trinta anos mais tarde, em Berlim. Um homem muda-se para um apartamento perto da estação central. Da janela, vê um sem-abrigo na rua. É Kenneth que não sabe que entretanto Theres também mora na capital alemã. O 8º filme de Angela Schanelec trata, no estilo minimalista próprio da realizadora, crises pessoais numa Europa também em crise. Schanelec é autora e realizadora de filmes independente desde 95, conhecida por Marseill(2004) e Orly (2010), já lhe foi dedicada uma retrospetiva integral na Culturgest.

27 FEV | 18H30 | CASA DE VERÃO (Sommerhäuser)

Verão, 1976. Uma família burguesa reúne-se para assinalar o recente falecimento da velha matriarca. Na residência de campo, os dias decorrem habitualmente tranquilos e sem história, as crianças partem à descoberta do jardim e aventuram-se pelo dos vizinhos. Porém, tal como o calor abafado que prenuncia uma tempestade, os conflitos entre os membros da família estalam. Movendo-se com fluidez neste ambiente plurigeracional, a câmara da realizadora varia entre pontos de vista sem enfatizar os pequenos-grandes dramas, numa história em que uma boa parte dos conflitos paira no ar, sendo raramente verbalizados. Esta é a 1ª longa-metragem de Sonja Maria Kröner, 39 anos, e estreou no Festival de Cinema Internacional de Munique no ano passado.

27 FEV | 21H30 | ENTRE CORREDORES (In den Gängen)

O mais recente entre os trabalhadores do hipermercado, Christian mergulha silenciosamente nesse universo desconhecido: os longos corredores, a ordem eterna dos armazéns, a mecânica surreal das empilhadoras, o colega do departamento de bebidas, sem esquecer Marion, que trabalha nos corredores dos doces. Quando Christian começa a apaixonar-se por ela, todo o hipermercado torce entusiasticamente por ele. No entanto Marion é casada – mas não muito feliz, diz-se. Baseada num conto homónimo de Clemens Meyer, Thomas Stuber conta, num tom de realismo mágico, o dia-a-dia e os anseios dos trabalhadores numa província do leste da Alemanha. Stuber tem 36 anos e ganhou o prémio de Melhor Filme de um jovem director alemão no Festival Internacional de Cinema Estudantil Sehsüchte. O anterior Herbert ganhou a Medalha de Prata para a Melhor Longa-Metragem no German Film Awards.

.

Esta é a 16ª edição da Mostra de Cinema de Expressão Alemã em Coimbra, organizado pelo Goethe-Institut Portugal em parceria com o TAGV. Para nós é importante poder trazer parte destes filmes para o programa da KINO, precisamente para que o público tenha oportunidade de ver filmes que não chegam a ser parte dos circuitos comerciais, explicou-nos Corinna Lawrenz, mestra em Estudos de Cultura pela Universidade Católica e a trabalhar há 4 anos na programação cultural do Goethe-Institut Portugal. Segundo a programadora nota-se que há um interesse crescente neste tipo de cinema, embora não só de expressão alemã, que não se reflete apenas nos números de público mas também num feedback mais direto. 

.

.

26, 27 FEV | 16ª MOSTRA DE CINEMA DE EXPRESSÃO ALEMÃ – KINO
Teatro Académico de Gil Vicente, Praça da República – Coimbra
Site
Bilhetes: 3,5€ (3€ < 25, estudante, > 65, comunidade UC, grupo ≥ 10, desempregado, parcerias)

 

 

 

 

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.