Querem ir a Moscovo sem pagar nada?

Há um local na cidade (há tantos, em boa verdade!) que temos sempre vontade de (re)visitar: o Museu do Mosteiro do Convento de Santa Clara-a-Velha (Museu). Dali, conseguimos espreitar o cenário-postal da cidade e ver o amontoado de casas desde o largo da Portagem até à torre da Universidade. Em dias bonitos, não há nada melhor que aproveitar aquela esplanada (agora encerrada e a aguardar novo concurso para a concessão do espaço).

Para além das exposições permanentes e do acesso ao Mosteiro (já lá foram?), que tem um custo de 4€, há exposições temporárias que podem ser o pretexto ideal para visitas regulares.

Sugerimos um programa gratuito: a exposição de fotografia Moscow XXI, da autoria de André Kuzer. Tirem um par de horas, estacionem o carro em Santa Clara, ao pé do Portugal dos Pequenitos e sigam até ao Museu. Só precisam de indicar que pretendem apenas ver esta exposição.

Moscovo sempre se esforçou para ser a capital mais perfeitamente planeada do mundo. No entanto, a realidade é uma metrópole composta de planos urbanísticos sobrepostos que se expandem até ao infinito, em círculos concêntricos, o que lhe confere uma escala urbana difícil de equiparar. (…)
A cidade é repleta de contrastes que são inesperados e por vezes causam estranheza. É uma cidade no limite e os moscovitas têm a capacidade de garantir que nunca se saiba o que acontecerá a seguir. (…)

André Kuzer é um arquitecto nascido em Coimbra mas que já viveu em vários cantos do mundo. No universo da Fotografia, fez a sua formação na Escola Maumaus – Artes Visuais e já expôs o seu trabalho, que resulta das inúmeras viagens, em Coimbra, Lisboa, Dumfries (Escócia) e Milão (Itália). É actualmente docente universitário na área da Imagem.

Esta visita acaba por se revelar num 2 em 1: para chegar à sala onde estão expostas as fotografias, precisam de percorrer um corredor amplo onde se encontra em exibição a exposição de Azulejaria Mudéjar do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha – Inclusão pela cor que pretende dar a conhecer o núcleo de azulejos quinhentistas encontrados durante as escavações arqueológicas, realizadas no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, desde 1995. Para além da contextualização dos achados e das características dos azulejos, esta exposição tem a particularidade de incluir legendas com ColorADDDesenvolvido pelo  designer gráfico português Miguel Neiva, o ColorADD é um sistema (código) universal de identificação de cores para daltónicos que procura ajudar a minorar um problema que afeta cerca de 10% da população masculina mundial.

Através de um conjunto de símbolos básicos que representa todas as cores existentes, o ColorADD permite o reconhecimento da policromia na azulejaria mudéjar e possibilita a inclusão pela cor de uma parte da sociedade.

No final? Uma paragem no Café Bar Galeria Santa Clara, pois claro.

 

ATÉ 24 DE FEVEREIRO | TER A DOM, DAS 9H ÀS 17H | EXPOSIÇÃO MOSCOW XXI, DE ANDRÉ KUZER
Mosteiro de Santa Clara-a-Velha – Rua das Parreiras, Coimbra
Entrada gratuita
Contactos: mosteiro.scvelha@drcc.gov.pt

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.