FIT

Agora é que é! Muda a hora e se calhar mudam vocês também

Esta rubrica pretende incidir sobre a nossa motivação para fazer exercício e manter uma alimentação saudável e fornecer dicas práticas para manter os bons hábitos, apesar da rotina social, familiar e, claro, da (sempre presente) preguiça.

 

André Santofoto perfil coolectiva
Director Técnico e Personal Trainer do Ginásio Fit & Fun
andrefsanto@gmail.com

 

 

 

Acabaram as férias. Com ou sem miúdos, multiplicam-se os momentos de regresso à rotina. Aulas, treinos ou actividades dos mais pequenos, regresso ao trabalho. Parece haver mais trânsito, menos tempo e, sobretudo, menos energia. Para piorar, no caso de terem havido abusos nas férias (espero que sim, pois é por isso que se chamam férias!), existe também a sensação de mau estar com o próprio corpo. Sentimos ainda mais a necessidade de nos sentirmos activos e a incontrolável necessidade de relaxar e (voltar a) tirar um momento para nós.

Antes de mais, umas palavras de motivação: não adiem e comecem (ou regressem a) os treinos)! Mas tentem fazê-lo o quanto antes. Aproveitem as dicas que já dei aqui, como esta, de treinos curtos, dinâmicos e mais frequentes.

Não se esqueçam que este é o mês em que chega também a mudança da hora (28 de Outubro). Se forem como eu, são invadidos pela desmotivação de sair e chegar a casa quase sempre de noite. O tempo e a vontade para treinar, que já são curtos, parecem evaporar-se. Como contrariar?

Dicas práticas:

  1. Treinem o mais cedo possível. Antes de entrarem ao trabalho ou imediatamente a seguir a saírem. 30 minutos, 3 a 4 vezes por semana é uma excelente sugestão.
  2. Se andarem no ginásio, experimentem aulas ou peçam um plano de treino diferente. Abram a mente a novas experiências que vos mantenham motivados. Volto a referir que aulas mais curtas e mais frequentes são mais fáceis de enfrentar. 
  3. Definam objectivos específicos. Mais do que perder peso ou tonificar, coloquem números e prazos nessas metas. Mais uma vez, se andarem no ginásio, definam em conjunto com o instrutor a percentagem de massa gorda a perder e os kilogramas de massa muscular a ganhar. Redução ou aumento (dependendo do objectivo) dos perímetros abdominal, das coxas ou dos braços, são alguns exemplos práticos. Conseguir essas metas até ao Natal parece exequível. Não? 
  4. Talvez seja a altura de pensarem em arranjarem ou se associarem a um(a) companheiro(a) de treino. Contrariem a desmotivação, apoiando-se no compromisso de uma companhia que quer o mesmo que vocês. 

É agora. Apesar do sucesso ou insucesso das experiências passadas, acreditem que é agora, com a ajuda destas dicas, que poderão regressar (para ficar) a uma rotina de treino eficaz.

Que tipo de pais/profissionais/companheiros seremos, se não andarmos bem, física e mental e emocionalmente? O que é preferível: ter 4 meias horas livres por semana, em que acabamos por desesperar com os filhos, colegas, patrão e/ou companheiro ou companheira por causa do cansaço, da pressão e do desespero do dia-a-dia, ou utilizar esses 3 a 4 momentos para descarregar energias negativas e libertar endorfinas e/ou relaxar do stress, para sermos mais saudáveis, mais sociáveis, mais sorridentes, mais felizes?

Treinar faz-nos bem. Não é um slogan. É a verdade.

 

 

Comenta este artigo

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.