COMPRAS COOLTURA MIÚDOS

15 coisas gratuitas para fazer em Coimbra e uma delas é ouvir ópera

Querem ideias para programas simples e sem gastar um tostão?

Sair de casa e viver a cidade é sempre bom e trazemos ideias de 15 coisas gratuitas que podem fazer sem gastar dinheiro.

1. Passear pelo Jardim Botânico

O Jardim Botânico da Universidade de Coimbra (JBUC) foi fundado em 1772 e tem como missões a investigação, a conservação da biodiversidade, a educação e divulgação de ciência. Desde 2013, o JBUC é Património da Humanidade da UNESCO, inserido no sítio Universidade de Coimbra, Alta e Sofia.

Mais do que um local que serve o conhecimento, é um espaço verde, bonito em qualquer estação do ano e com muitos espaços para explorar.

2. Admirar a vista panorâmica da nossa cidade-postal a partir da margem esquerda do Mondego

Há vários recantos onde podemos ir contemplar o cenário mais fotografado de Coimbra, seja a partir do Choupalinho, do Convento de São Francisco, do Mosteiro de Santa-Clara-a-Nova ou do Miradouro do Vale do Inferno. Aliás, a nossa cidade tem miradouros para outras vistas também muito especiais.

3. Parar para apreciar a Porta de Barbacã

Um passeio na Baixa é sempre agradável, sobretudo se o fizermos com olhos de ver. A Porta e Torre de Almedina eram a entrada principal da cidade dentro da muralha. Existente desde 1064, esta porta foi sendo reformada e remodelada ao longo dos séculos. Era defendida, primitivamente, por dois cubelos avançados que, mais tarde, foram ligados por meio de um arco fundo, por sobre o qual foi levantado o forte torreão. Esta era possivelmente uma das torres de maior imponência no perímetro da muralha, devido à sua importância estratégica, uma vez que se constituía no acesso de maior importância, civil e militar, à cidade.

Tendo sido necessário reforçar a defesa, ergueu-se uma segunda cintura muralhada – a Porta de Barbacã. A sua porta, em arco quebrado, típica das fortificações do período manuelino, também chegou aos nossos dias – e está na Baixa, à espera dos vossos olhares observadores.

4. Visitar o Museu da Cidade de Coimbra

Já que andam pela Baixa, espreitem o Museu Municipal de Coimbra que inclui o Edifício Chiado (dedicado à exposição da coleção de Arte doada à cidade pelo casal Telo de Morais), o Núcleo da Cidade Muralhada situado na Torre da Almedina (que tem como missão recuperar a memória coletiva da existência da muralha e está complementado por um percurso pedonal) e a galeria do Turismo (com a colecção Louzã Henriques de instrumentos musicais).

5. Gozar um final de tarde num belo relvado e com uma bela banda sonora

Todas as sextas-feiras, ao final da tarde, a partir das 18h/18h30, há Matinée na Casa das Artes da Fundação Bissaya Barreto. Só têm de passar o portão e deixar-se contagiar pela música que, se o tempo estiver bom, vai chegar do jardim.

Encontrem um bom lugar, estiquem as pernas, arrebitem as orelhas e relaxem ao som de boa música.

6. Namorar as peças de autores portugueses à venda na Anthrop

Entrar numa loja não tem de significar comprar; pode ser apenas um namoro, um momento de descoberta. Já falámos na Anthrop e na selecção de peças de autores portugueses que desafiam os cordões das bolsas. Vale a pena espreitarem só para estarem a par de artigos únicos e originais com selo português.

7. Deambular pelas bancas da Feira de Exposição e Mostra de Velharias

Desde 28 de Julho, a Feira de Exposição e Mostra de Velharias realiza-se no requalificado Terreiro da Erva. Assim, mensalmente, ao quarto sábado de cada mês, entre as 09h e as 19h, podem percorrer os vários expositores e reviver memórias do passado, através do contacto com objetos antigos, de valor artístico ou cultural. É quase um museu ao ar livre repleto de pequenos grandes tesouros. A próxima edição é já no Sábado, dia 22 de Setembro.

8. Participar numa corrida nocturna

Existe um grupo de corredores nocturnos: os Night Runners de Coimbra. Os encontros costumam ser às quartas-feiras, às 21h30, no Largo da Portagem. Os percursos vão variando e há atletas de diferente gabarito.

9. Trocar um livro na Cabine do Livro Vadio

A Cabine do Livro Vadio é um projecto do Exploratório, apoiado pela Fundação PT, que se traduz numa cabine telefónica transformada em biblioteca, à qual todos os leitores têm acesso livre, onde podem ler livros, levá-los para casa, trocá-los por outros. O objectivo é promover hábitos de leitura fundamentalmente nas áreas de ciência e tecnologia, potenciar a cultura e a literacia e dar a conhecer novos livros.

A Cabine, localizada junto à entrada principal do Exploratório, está aberta de terça-feira a sexta-feira entre as 09h30 e as 17h30 e aos fins-de-semana e feriados das 10h às 18h.

10. Navegar com o wifi do Alma Shopping

Dar um giro num centro comercial é um programa simples mas é bom saber que há um sítio onde se pode não só observar montras e parar para ver as modas como levar o computador, o tablet ou o telemóvel e ficar a pesquisar isto e aquilo com uma ligação à internet que é gratuita.

11. Recitar poesia

Já vos alertámos para esta sugestão que tem lugar quase todos os meses: um serão especial, de leituras – o declAMAR Poesia no Salão, um evento de entrada livre que se realiza no Salão Brazil. É chegar, sentar, ouvir e, se quiserem, declamar.

12. Conversar num banco do Jardim da Sereia

Há muitos cantos e recantos no Jardim da Sereia onde podem encontrar um banco de jardim e trocar uns dedos de conversa – seja com os próprios botões ou com companhia. Gostamos, em particular, da zona do jardim que acolhe o conjunto de esculturas em ferro de Rui Chafes, um artista que tem obras instaladas em diferentes cidades europeias, nomeadamente no Parc de la Cartucha de Sevilha, no Parc de la Courneuve de Paris, em Arnhem, na Holanda, Aran Islands, na Irlanda, e nos jardins do Museu de Esbjerg, na Dinamarca.

13. Fazer um piquenique na Mata Nacional do Choupal ou Vale de Canas

É sempre boa ideia fazer um piquenique porque o convívio no exterior apela a outros sentidos e é um programa que costuma agradar a todos, independentemente da idade. Ao fim-de-semana, o Choupal costuma estar mais concorrido mas nem por isso deixa de ser agradável. A Mata de Vale de Canas tem um parque de merendas muito convidativo e mais sossegado. Já vos indicámos um bom menu, só têm de decidir o dia!

14. Levar as crianças a dar comida aos patos no Parque Verde

O regresso à escola também traz o regresso às rotinas do quotidiano dos mais novos. No Parque Verde do Mondego, há uma família de patos que está habituada a receber mimos alimentares dos seus visitantes curiosos. Uma sessão de grasnares é garantida. O cenário é o de sempre: o nosso Mondego.

15. Ouvir ópera

No dia 29 de Setembro, há um espectáculo de ópera gratuito no Pátio das Escolas da Universidade de Coimbra – a Visitação à Ópera Sansão e Dalila, de Camille Saint-Saëns

Sansão e Dalila é a história bíblica do Livro dos Juízes que relata parte dos conflitos entre Filisteus, que hoje se supõe serem gregos, e os Hebreus. Toda a ópera circula à volta do dueto de amor entre os dois personagens centrais, com uma estrutura bastante clara: I acto – Introdução e apresentação; II – Amor e traição subjacente; e III – Queda e vingança apocalíptica.

Sansão e Dalila é um catálogo de arte musical, progressões, cadências, fugas, bailados, um grande dueto de amor, provocações, escárnio e apocalipse. Que mais se pode desejar? É ópera em toda a sua paixão – e sem gastarem um tostão.*

Esta iniciativa inclui-se num roteiro artístico-cultural chamado Ópera no Património. Alguns dos monumentos mais emblemáticos de Leiria, Batalha, Viseu, Pinhel, Vila Nova de Foz Côa e Coimbra são o palco para um conjunto de eventos associados ao património e à cultura.

* O evento é de entrada gratuita, sujeita a apresentação de bilhete que têm de levantar até ao dia 28 de Setembro no TAGV ou até 29 de Setembro na bilheteira do Circuito Turístico.

Têm ainda mais ideias? Partilhem connosco.

Comenta este artigo

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.