FIT MIÚDOS

Para os miúdos também vale a “mente sã em corpo são”

Luís MarquesFOTO
Personal trainer
lmarques.personaltrainer@gmail.com

 

 

Chegou o início do ano lectivo. A hora de preparar o material escolar, de reunir os livros necessários e, muitas vezes, de procurar as actividades físicas e desportivas extracurriculares para os miúdos – o que pode ser uma autêntica dor de cabeça, sobretudo quando as crianças não gostam de nenhuma em particular ou querem desistir da que praticavam. Quais são as melhores ou mais completas? Como escolher?

Nos jogos desportivos colectivos, como o rugby, o voleibol, o andebol, o hóquei em patins, o futebol ou o basquetebol, é comum destacar-se o espírito de equipa, a entreajuda, as amizades e a procura do mesmo objectivo. Aos desportos individuais, como a natação, a ginástica, o atletismo, o ténis, a dança, o ciclismo, o remo ou os desportos de combate, é normal associar-se a disciplina, a concentração, a resiliência e o rigor. Cada modalidade tem a sua especificidade – contudo, os benefícios nas diferentes áreas de desenvolvimento são transversais a todas, se forem bem coordenadas e tiverem um ambiente positivo. Em Coimbra, felizmente, existem muitas opções em função dos gostos e interesses de cada criança.

Se os vossos filhos não quiserem praticar qualquer actividade ou modalidade estruturada? Calma, não há problema, desde que sejam activos! Actualmente, muitas crianças têm o horário muito sobrecarregado, sem tempo para brincar ao ar livre. As brincadeiras de rua, de preferência na natureza, ajudam a superar medos, a aprender regras, a serem independentes, a interagir e a desenvolver a criatividade. Uma hora diária a correr, saltar, trepar às árvores e a inventar brincadeiras é fundamental para que cresçam felizes e saudáveis. Muitos campeões não começaram a treinar aos 5 anos em academias – formaram-se, numa 1ª fase, de forma livre e não programada. Muitos até experimentaram mais do que uma modalidade desportiva.

O exercício físico nas crianças e nos jovens é determinante para um crescimento saudável – quer em termos físicos, como cognitivos e sociais. Além do papel no desenvolvimento motor, é muito importante na formação pessoal, na assimilação de bons princípios e valores, e na prevenção de problemas como a obesidade infantil. Certo é que crianças e jovens activas têm maior probabilidade de se tornarem adultos activos. Para isso acontecer, independentemente da actividade, os treinadores, pais, adeptos e dirigentes devem actuar de forma pedagógica. Garantido este pressuposto, e se as crianças gostarem, qualquer actividade ou modalidade desportiva, desde que bem orientada (a todos os níveis), pode ser benéfica.

Não existe uma idade ideal para começar, nem uma modalidade ou actividade perfeita. O importante é que tenham movimento diário, tempo para brincar; que se divirtam e gostem do que fazem; que aprendam a ganhar e a perder, e que se desenvolvam integralmente e cresçam com bons hábitos.

Bom ano e bons treinos!

 

 

Comenta este artigo

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.