De 19 a 21 há bónus na Praia Fluvial de Palheiros e Zorro

Se o Norte tem um Paredes de Coura, por que é que o Centro não pode ter um festival à beira rio? Vai estrear, novinho em folha, pelo menos com este nome, o Festival M na belíssima Praia Fluvial de Palheiros e Zorro (ou Torres do Mondego). É organizado pela Junta de Freguesia de Torres do Mondego com apoio do Fluvial Bar e vão ser 8 espectáculos, com entrada livre, nos dias 19, 20 e 21 de Julho.

A abrir, no dia 19, tocam Little Orange e Spookyman. O primeiro é um projecto blues e gospel experimentaluma viagem desde o Sul profundo da América às igrejas Baptistas, do Capim ao rock pré-histórico. Já Spookyman é também uma one man band, do multi-instrumentista italiano Giulio Allegretti, a fazer lembrar o nosso Tigerman e também influenciado pelo Delta Blues, e nomes como John Lee Hooker, Muddy Waters, Son House, Luis Armstrong, Nat King Cole ou mesmo Tom Waits, Nick Cave, Leonard Cohen.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sexta-feira, dia 20, o brasileiro Leonardo Middea mostra as raízes e canta as próprias viagens, medos, desgostos, paixões e sonhos. Tem dois discos editados, Dois e A Dança do Mundo. Chinaskee & Os Camponeses exalam uma aura bucólica, em que o rock se dilui em reverberações intensas, teclados saturados e uma mescla de cores que desenha uma paisagem muito clara, por onde o tempo passa e por lá parece ficar. No disco de estreia, Malmequeres, destacam-se melodias pop orelhudas, arranjos cuidados e um namoro de alucinogénios entre os reverbs intensos e a solenidade dos teclados. Os Huggs são portugueses e nasceram do contraste entre as melodias contagiantes glam/rock do Duarte Queiroz, na guitarra e voz, e a irreverência punk e bateria pesada do Jantónio. A eles junta-se ainda Guilherme Correia (Ditch Days) e Take My Hand é o single do trio, retirado de um primeiro EP com edição marcada para o último trimestre de 2018.

Finalmente, Sábado, dia 21 de Julho, os Can Cun são um trio de Vila Real a fazer lembrar Time Impala que surpreendeu com o EP Thin Ice Dance Floor em 2015. Lançaram este ano o disco Wanderlust e tocam dream pop. A seguir vêm os cantos primitivos e batidas tribais dos Dusty Shakers, com partículas de folk’n’blues sobre ondas surf. São Vico na voz e guitarra, Paula Nozzari na bateria e washboard e Varejão na guitarra, baixo e vozes. O trio alemão Mother Engine encerra o Festival M com rock, laivos do psicadelismo dos 60’s e 70’s e do seu conterrâneo krautrock. Lançaram Hangar no ano passado.

 

Os concertos começam todos às 18h. A bela Praia fluvial de Palheiros e Zorro foi criada em 1997 e fica a apenas 20 minutos do centro da cidade de Coimbra. Está bem apetrechada com as infra-estruturas essenciais, e o areal tem churrasqueiras e mesas de piquenique, há um bar e uma zona de recreação de kayaking, canoagem, pesca, caminhada, BTT e vólei de praia. O acesso principal é feito pela povoação de Palheiros, na margem esquerda do rio, embora também seja possível o acesso pela margem direita, usando a ponte pedonal.

 

19, 20 E 21 JULHO | FESTIVAL M 
Praia Fluvial de Palheiros e Zorro (ou Torres do Mondego)
Facebook
Contactos: festival.torresdomondego@gmail.com
GPS: 40° 12′ 10″ N 8° 21′ 55″ O

 

Deixa-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.