FIT

Auch! Contraturas: o que fazer?

 

EMANUEL CASIMIROemanuel casimiro
Fisioterapeuta
actifisiopt@gmail.com

 

 

Todos nós já ouvimos falar de contraturas: aquela dor chata, irritante, de início insidioso, que se mantém por muito tempo depois de um período de maior stress ou exercício intenso. Aquele músculo que fica tenso e não relaxa, por mais massagens, pressão ou saquinhos de água quente que coloquemos em cima.

Antes de mais, importa perceber o que é contratura. Trata-se da rigidez de algumas fibras musculares de um mesmo músculo, que se formam por contrações permanentes e exageradas. No local da rigidez forma-se um nódulo sensível, constituído por um ponto de hiperativação do sistema nervoso e um ponto de hipovascularização, que causam um círculo vicioso de contrações involuntárias e mantidas.

O tratamento depende muito da causa da contratura. Mas atenção, clarificamos desde já que a contratura não é uma lesão em si, é uma consequência de um problema a jusante ou a montante do local de dor, por isso é importante sobretudo eliminar a origem. Se tiver surgido depois de um esforço exagerado, o primeiro passo é descansar e hidratar-se adequadamente. Um banho de água quente e uma massagem localizada podem ajudar a acalmar a estrutura irritada. Se isso não for suficiente para retomar o normal funcionamento muscular, é preciso recorrer a um fisioterapeuta para um tratamento mais intensivo. Se a contratura tiver origem em posturas mantidas seja no trabalho ou em qualquer actividade específica da vida diária ou desportiva, é preciso um estudo mais aprofundado da situação e tratar a rigidez muscular reeducando a postura, de forma a prevenir o aparecimento de novas contraturas, e restabelecendo a biomecânica natural dos músculos e articulações.

Existem várias formas de tratar contraturas, é preciso procurar aquela que mais se adequa à sua eliminação permanente e prevenção do aparecimento de outras. Dependem também da experiência e formação do fisioterapeuta. Podem ser aplicadas técnicas de relaxamento muscular, exercícios respiratórios e posturais, técnicas de reeducação postural, terapias miofasciais e eletroterapia. Mas em todo o caso, se fizerem um tratamento e as contraturas voltarem passado uns dias, significa que é preciso mudar de estratégia. Tratar sempre a causa, não a consequência.

Apesar de não ser um problema de elevada gravidade, quando aparecem e persistem de forma continuada, as contraturas musculares não devem ser descuradas. São um sinal de desequilíbrio do corpo ou de uma fraqueza que pode levar a alterações posturais permanentes e difíceis de reverter.

Comenta este artigo

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.