COOLTURA

Fãs de dança atenção que em Junho há Vera Mantero no TAGV

O Teatro Académico Gil Vicente (TAGV) vai ter dois espectáculos de Vera Mantero este mês, e um deles é um solo da bailarina e coreógrafa. As Práticas Propiciatórias dos Acontecimentos Futuros e Olympia sobem ao palco do TAGV nas sextas-feiras de 8 e 22 de Junho. Mas avisamos já porque têm lotação limitada e vão, provavelmente, ser concorridos.

Aos 52 anos a bailarina e coreógrafa, Prémio Almada em 2001 e Prémio Gulbenkian Arte em 2009, traz a Coimbra uma apresentação performativa com base na investigação feita a partir da exposição Ernesto de Sousa: A Mão Direita Não Sabe o que a Esquerda anda a Fazer…, com curadoria de Paula Pinto para a XIX Bienal de Cerveira (2017). A mostra era sobre um levantamento fotográfico da escultura portuguesa de expressão popular que Ernesto de Sousa, curador, professor, realizador, investigador e crítico de arte, próximo do movimento Fluxus, fez nos anos 1960. Paula Pinto, historiadora de arte e pesquisadora, propôs a Mantero que desenvolvesse uma apresentação performativa em torno do material, e a coreógrafa viajou para alguns dos destinos visitados por Sousa, estudou as questões levantadas pelo arquivo e fez uma pesquisa através do corpo e da acção. Ernesto de Sousa dizia que procurava na arte popular as práticas propiciatórias dos acontecimentos futuros. Vera Mantero assina a direcção artística deste espectáculo, e os bailarinos Henrique Furtado Vieira, Paulo Quedas e Vânia Rovisco interpretam.
.

Já o segundo espectáculo, dia 22, é Olympia, um arrojado solo da coreógrafa. Não é novo, foi criado originalmente em 1993 para a Maratona para a Dança, um evento com o objectivo de acordar o país para a dança que se fazia à época em Portugal. A inspiração bebeu-a do livro Asfixiante Cultura, de Jean Dubuffet, e da pintura Olímpia, de Manet. Mantero recuperou o solo há 3 anos quando foi convidada por Boris Charmatz para integrar o 20 Dancers for the XX Century, um arquivo vivo dos solos coreográficos mais representativos do século XX na londrina Tate Modern e na Opéra de Paris / Palais Garnier.
.

No fim deste segundo espectáculo está prevista uma conversa com a coreógrafa que, actualmente, lecciona composição e improvisação em Portugal e no estrangeiro, e colabora regularmente em projectos internacionais de improvisação, ao lado de improvisadores e coreógrafos como Lisa Nelson, Mark Tompkins, Meg Stuart e Steve Paxton.
.

.
8 JUNHO | 21H30 | AS PRÁTICAS PROPICIATÓRIAS DOS ACONTECIMENTOS FUTUROS
Auditório TAGV  – Praça da República, Coimbra
M/14 – Lotação Limitada
Bilhetes: €7, €5 (< 25, estudante, > 65, comunidade UC, grupo ≥ 10, desempregado, parcerias)
.
22 JUNHO | 18H30 | OLYMPIA
TAGV – Praça da República, Coimbra
M/16 – Lotação Limitada
Bilhetes: €5, €3 (< 25, estudante, > 65, comunidade UC, grupo ≥ 10, desempregado, parcerias)
.
.

Comenta este artigo

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.