PASSEIOS

Vou ali já venho: LEIRIA

Às vezes basta mudar de ares que a vida parece como nova, e não é preciso ir muito longe. Temos a sugestão de um passeio de um dia bem passado – em família, com amigos ou mesmo sozinho -, na cidade de Leiria. Garantimos contacto com a natureza, arte, património e gulodices do melhor à mistura.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se partirem de carro de Coimbra, até Leiria são cerca de 80 quilómetros de viagem, por volta de 50 minutos.

MANHÃ

Começamos fora do centro, no famoso Pinhal de Leiria, uma das maiores áreas naturais da região Centro. Vale sempre a pena conhecer, apesar de, infelizmente, ter sido uma das grandes vítimas dos incêndios do ano passado. Em menos de 24 horas ardeu 86% do pinhal mandado plantar pelo rei D. Afonso III  no século XIII, e depois mandado aumentar por D. Dinis.
Chegados ao centro da cidade, dizem-nos que na Rua Tenente Valadim costuma haver lugar para estacionar, por isso é mesmo aí que deixamos o carro. Vamos em direcção ao rio Lis, vale muito a pena conhecer o Parque Municipal e fazer um pouco do percurso pedonal (que tem cerca de 13 quilómetros), ao longo dos quais se encontram desde parques de skate, parede de escalada, quiosques, cafés e bistrôs, zonas relvadas, ajardinadas, grandes árvores, um pequeno ginásio a céu aberto, patos que andam à solta e…arte urbana. Há alguns anos que tem vindo a surgir e a dar vida a paredes outrora inanimadas da cidade. O circuito Leiria, paredes com história: ARTE PÚBLICA inclui cinco grandes intervenções da responsabilidade dos artistas Smile, Lonac, Eime, Bordalo II e Pichiavo.
Seguimos para o Mercado de Sant’Ana, o antigo mercado municipal que surgiu da reabilitação de um edifício datado do início do século XX, por Ernesto Korrodi, e que desde 2012 passou a ser um centro cultural, com cafés, galerias e o Teatro Miguel Franco incorporado. Com sorte apanham algum evento, senão é sempre agradável para tomar qualquer coisa e apreciar o ambiente. O almoço fazemos mesmo aí ao lado, na Rua Dr. Correia Mateus. Há meia dúzia de restaurantes seguidos, desde a rústica Taverna do Alberto onde se come bem e em ambiente típico, ao Restaurante Ao Largo, mais elegante e moderno. Mas deixem a sobremesa para depois.

TARDE

Depois do almoço, é só descer a rua em direcção ao Jardim de Camões. Um bom passeio para digerir até à Praça Rodrigues Lobo, e uma paragem para a tal sobremesa na Aldeia dos Sabores. São inúmeras as opções absolutamente irresistíveis, mas as Brisas do Lis, de amêndoa e gemas de ovos, são a maior referência da doçaria leiriense.
Segue-se um mergulho no património. Dentro de portas, têm o Museu de Leiria, no Convento de Santo Agostinho, ou o Museu da Imagem em Movimento, na Casa dos Pintores. Têm também o Museu do Moinho do Papel, projectado pela autarquia em parceria com o Arquiteto Álvaro Siza Vieira, que fica mesmo à beira do Lis e faz alusão à produção de papel, iniciada precisamente nesta cidade portuguesa.
Fora de portas, e para terminar o dia em beleza, há que ir ao incontornável Castelo medieval. Até 30 de Setembro está aberto das 10h às 18h, no Inverno abre e encerra meia hora mais cedo. Artística e arquitectonicamente, o castelo é representativo das diversas fases de construção e reconstrução desde a sua fundação até ao século XX. Inclui um Palácio Real quatrocentista, a Torre de Menagem, a Igreja de Stª Maria da Pena, o espaço da antiga Colegiada, celeiros medievais e muralhas exteriores. Conquistado aos mouros por D. Afonso Henriques, em 1135, o Castelo foi reconquistado pelos muçulmanos, depois voltou novamente para a mão dos cristãos, em 1142. Depois sofreu um novo ataque islâmico e devido a tantas lutas, D. Sancho I reedificou-o em 1190. Inclui uma Torre de Menagem mandada edificar por D. Dinis em 1325, e provavelmente também a Igreja de Nossa Senhora da Pena e os Paços Episcopais, afinal, foi o rei que passou mais tempo em Leiria, juntamente com a mulher, a Rainha Santa Isabel. Séculos depois, o castelo chegou a estar ao abandono e foi recuperado graças à Liga dos Amigos do Castelo e de novo o arquiteto suíço Ernesto Korrodi. Imperdível a vista sobre a cidade a partir da Alcáçova, uma das salas mais bonitas do castelo.
.

ATENÇÃO: EM MAIO HÁ FESTA
.

Se forem a Leiria durante este mês, o estacionamento do Estádio Municipal está transformado no maior parque de diversões de toda a região que, entre 28 de abril e 27 de maio, atrai cerca de meio milhão de visitantes. É uma das maiores festas da Região Centro do país. Este ano a novidade é que há concertos gratuitos, por onde vão passar nomes como os Átoa (4 Maio, 22h), Dillaz (5 Maio, 22h), Legendary Tigerman (12 Maio, 22h45), Quim Barreiros (22 Maio, 16h30). Dia 13 o dia é dedicado aos mais novos com o Ruca, às 15h. Vai haver também um Festival de Folclore, um Festival de Filarmónicas, mais de uma centena de expositores, comerciais e de associações, uma mostra de artesanato e doçaria, parque de diversões e a Feira de Leiria, com produtos típicos da zona. Mas há muito mais, o programa está todo aqui. Bons passeios.

One comment

Comenta este artigo

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.